E o deserto florescerá!

E o deserto florescerá!

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

CABEÇA E CORAÇÃO

         Enquanto minha cabeça está sempre ansiosa em busca de algo, ver coisas novas, fazer coisas novas, buscando o crescimento e a realização, meu coração deseja ficar em casa, ter um lugar onde eu possa me estabelecer e permanecer. A mente anseia por mudanças, o coração quer a rotina, a área de conforto. Percebo que esta tensão é contínua e muito influênciou a minha vida: parar x ir além – coração x cabeça.
       Vejo que no fundo, mesmo quando não temos consciência disto, a motivação que faz  o coração querer  parar é o anseio de permanecer em Deus. Mesmo sem ter consciência buscamos aquele que nos busca. O desejo do coração, principalmente quando ele vai sendo curado e purificado, é encontrar Deus. O desejo de permanecer num lugar é o desejo de fazer morada no coração de Jesus. Por isso os textos bíblicos que nos convidam ao encontro e ao repouso falam tão fundo à nossa alma. Por exemplo:
“O Senhor é meu pastor: nada me falta. Em verdes pastagens me faz repousar, conduz-me até as fontes tranquilas”. Sl 23(22), 1-2
“Vinde a mim, todos vós que estais cansados sob o peso do fardo, e eu vos darei descanso”. Mt 11, 28
          Por outro lado a cabeça busca a realização humana, e o ser humano cresce aprendendo e fazendo coisas novas.  O segredo para uma vida feliz é encontrar o equilíbrio, permanecer no meio e deixar que o Senhor una meu coração e minha cabeça. Ficar aos pés do Mestre como discípula,  escutá-lo, e ser enviada por ele. Aos pés do Mestre conversar com o meu coração e a minha cabeça dizendo: Coração, aquiete-se, você tem espaço para permanecer, em minha vida tem espaço para os dias calmos de reflexão, para a rotina; não vou querer sempre mudanças.  Cabeça, aquiete-se, você tem espaço para as mudanças, para o novo em minha vida; eu permito que você cresça.
Vamos pedir a Jesus para nos curar?

Senhor, eu te apresento meu coração e a minha cabeça. Muitas vezes eles desejaram coisas contrárias e por isto me causaram divisão e inquietação interior. Reconheço, Jesus, que muitas vezes um não respeitou o outro, um atropelou o outro. Isto pode ter gerado raiva de mim mesma, raiva que ainda hoje trago em mim de forma disfarçada. Cura, Senhor, as feridas que trago em mim por causa desta divisão. Una meu coração e minha cabeça. Leva-me, Jesus, ao lugar de repouso onde eu me sinto em casa. Mas liberta-me, Senhor, da acomodação, do desânimo, do desejo de parar. Dá-me equilíbrio, Senhor. Amém.



sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

EM BUSCA DA FELICIDADE

         O maior desejo do ser humano é a felicidade. Quando refletimos sobre a vida percebemos que a maior parte do tempo andamos em busca da felicidade e nesta busca as vezes nos vendemos muito barato. Trazemos dentro de nós uma insatisfação constante e mesmo quando nos sentimos realizados por algum motivo esta satisfação é passageira.
         Temos o hábito de projetar nossa felicidade no futuro ou em algo que precisa acontecer para sermos felizes. Pensamos assim: quando eu encontrar alguém vou ser feliz, quando me formar, quando conseguir aquele emprego, quando me casar, se eu tiver filhos, quando comprar uma casa ou um carro, etc. Todas as coisas que conseguimos, toda realização pessoal, são coisas boas mas não preenche nosso desejo de felicidade.
       Mas há uma felicidade que não passa, que as vezes parece que se esconde – quando a dor bate a nossa porta –, mas a ausência dela é passageira. É um estado de felicidade. Ela é uma meta a alcançar na vida. Costuma chegar mansa sem fazer barulho e vem para ficar. Nós a construimos ao longo da vida e feliz, realizada, é a pessoa que a encontra. Ela consiste em unir os opostos dentro de nós, a nos sentirmos bem na “nossa casa”, o coração; a abrir a porta para o Senhor e permitir que ele venha cear conosco.
 “Já estou chegando e batendo à porta. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa, e juntos faremos a refeição”.
(Ap 3, 20).
        A refeição é um ato íntimo e nos sentimos bem quando a fazemos com alguém que amamos. E é o próprio Jesus quem pode arrumar  a “nossa casa” a partir do seu interior, nos curar e nos trazer satisfação nas pequenas coisas da vida. Quando o coração é a nossa morada e se torna morada de Deus experimentamos todo amor que precisamos. Experimentamos que não estamos sós, que somos aceitos e amados. A maior felicidade é o amor. Quando amamos e nos sentimos amados é que somos verdadeiramente feliz. Deus é amor. Deus é felicidade.
Oremos juntos:
Senhor, eu quero parar de fugir de mim mesma e da realidade da minha vida. Abro as minhas mãos e entrego ao Senhor, com confiança, minhas angústias, frustrações, fracassos, decepções, infelicidade. Sei que o Senhor me ama, mas hoje eu preciso experimentar esse amor. Dá-me, Senhor, a graça de me sentir plenamente amada. Hoje, eu paro os meus passos para receber o seu amor. Eu creio que o Senhor quer me dar uma vida nova, mais plena, realizada e feliz. Esta é a vida que o Senhor tem para mim e eu a recebo. Vem, Senhor Jesus, fazer morada em meu coração. Amém.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

UM CORAÇÃO PURO

“O que sai da pessoa, porém, é o que a torna impura. Pois é do interior do coração das pessoas que provêm os maus pensamentos, a prostituição, os roubos, os homicídios, os adultérios, as cobiças, as peversidades, a fraude, a desonestidade, a inveja, a calúnia, o orgulho e a insensatez. Todos estes vícios vêm de dentro e  tornam a pessoa impura” (Mc 7,20-23).
      Ter um coração impuro é como viver num lugar desconfortável, não temos paz. Quando está fazendo muito calor, o sol está muito quente e há muita poeira no ar, e acontece de vir uma chuva generosa sobre a terra, eu penso que Deus está lavando o mundo, limpando a natureza. E quando isso acontece o verde das plantas fica mais vivo, o ar fica mais leve, e o nosso corpo sente o frescor de um vento suave. Também quando fazemos uma faxina em nossa casa sentimos que estamos num lugar mais confortável, mais acolhedor, onde temos prazer de estar.
     Da mesma forma o nosso coração, nossa casa interior, templo do Espírito Santo (1Cor 3,16), quando está cheio de pecados, de desejos desordenados, de inveja, mágoa, ressentimento, falta de perdão e outras coisas semelhantes, se torna um lugar desagradável, onde não desejamos ficar, e também entristecemos o Espírito de Deus (Ef 4,30-32).
      Mas não conseguimos tornar nosso coração puro por nossas forças, com nossa vontade apenas. Para termos o coração puro é necessário que o Espírito Santo, Água Viva, venha nos lavar e transformar a partir do interior. É ele que limpa o que está sujo, amolece o que está duro, cura o que está ferido.

Estalagmite - Luray Caverns - Estados Unidos
     
O Pe. Raniero Cantalamessa compara o endurecimento do coração à formação de um estalagmite no interior de uma caverna. Pouco a pouco o calcáreo vai pingando do teto e formando no chão da caverna uma coluna que pode chegar a ficar muito grande e grossa. Assim o nosso coração não fica endurecido para Deus e para o irmão de um dia para outro. O coração de pedra vai se formando pouco a pouco, dia a dia, com nossas rebeldias, egoísmo, orgulho, teimosias, maus desejos, maus pensamentos, etc. As vezes levamos anos para perceber que o coração endureceu. Para mudar o coração ajuda muito quando desejamos ter um coração puro. O nosso desejo se une ao desejo de Deus de nos dar um coração de carne (Ez 36,26).

Feche os seus olhos, olhe para o seu coração e reflita: Como está o seu coração? O que tem saído dele são coisas boas ou coisas ruins?
Oremos:
Senhor Jesus, eu te apresento o meu coração ferido pelo pecado, ferido pela vida, ferido pelo desamor. Tu é a imagem do Deus invisível, o Salvador, para quem nada é impossível. Senhor, vem curar o meu coração. Lava-me com o teu sangue precioso; purifica-me dos pecados, das marcas das maldades que eu fiz em minha vida. Só o Senhor pode me dar um coração puro. É isto que eu te peço, Jesus: um coração semelhante ao teu, manso e humilde, um coração que ama. Vem Espírito Santo, fazer do meu coração o sacrário de Deus, o lugar da morada de Deus,  um lugar agradável também para mim e um lugar acolhedor para as pessoas. Amém.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

BUSCAR O SENHOR

“Feliz aquele que tem por ajuda o Deus de Jacó, e por esperança o Senhor, seu Deus”  (Sl 146(145), 5).
      É proprio do ser humano viver buscando um amparo, e, infelizmente, muitas vezes toma um caminho enganoso, buscando esse amparo em pessoas, em coisas e vãs filosofias nas quais ele procura a segurança para sua vida. O Senhor vem nos lembrar que só Ele pode saciar o mais profundo do nosso ser. Nos convida a depositarmos toda nossa confiança nele.    
        Em Cristo Jesus temos a salvação, a plenitude da graça e do amor do Pai. Mas essa plenitude, a experiência de sermos cuidados por Deus, acontece agora e ainda não. Deus nos sacia, mas sempre deixa um desejo, uma saudade de algo mais. Para não acontecer que, saciados, nos esqueçamos dele, não o busquemos mais. Muitas vezes precisamos parar, ficar em “casa”, entrar no quarto secreto do nosso coração, para receber e saborear o amor do Pai.
      O desejo de Deus é se revelar a nós de uma maneira sempre nova e mais íntima. Ele nos faz passar pela porta estreita para purificar nossas motivações, e trazer a tona o que está escondido dentro de nós; nos faz passar pelo cadinho da purificação para aprendermos a obediência (Hb 5,8). O caminho dele é estreito, mas caminhando nele chegaremos as alturas. Quando O colocamos em primeiro lugar Ele ordena tudo mais em nossa vida, e nos dará aquilo que for para o nosso bem, o que realmente necessitamos. Ele cura as nossas feridas, perdoa nossos pecados e lava nosso coração de toda mágoa e ressentimento.
      Creia que o projeto dele para você é a vida, a salvação, a alegria, e não a condenação e a morte. Por isso não temas as demoras de Deus, não desanimes,  pois, por onde quer que você vá o olhar de amor dele está sempre sobre você. Ele te escolheu e não te abandonará jamais. As pessoas, os amores e as coisas passam, mas Ele está com você para sempre. Ele te protege, te esconde nas palmas de sua mãos. Não se condene, não se rejeite, pois Deus não faz isso com você. Pelo contrário, Ele quer  te encher de amor e misericórdia. Creia que você é plenamente amada(o). Pense bem, se Deus te ama dessa forma o que te importa a rejeição de uma pessoa?  A cada dia Ele te toma pela mão e te mostra o caminho a seguir. Não tenhas medo!

Meu Pai, o seu amor é a fonte da minha vida, e mesmo nos dias de desolação, posso sentir, pela fé, sua presença amorosa cuidando de mim. É como uma manhã fria, de intenso nevoeiro, mas os raios do sol que se levanta atravessa o nevoeiro, ainda que de forma tenue, e aquece o meu corpo. Assim os raios do seu amor e da sua graça aquecem não só o meu corpo, mas também a minha alma e todo o meu ser. Estou em suas mãos, meu Pai,  e sei que o Senhor cuida de mim. O Senhor cura minhas feridas, perdoa os meus pecados e me dá uma vida nova. Eu te agradeço, meu Pai. Amém.