E o deserto florescerá!

E o deserto florescerá!

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

SOLIDÃO E PAZ


Caminhar através da solidão para a paz...

    
 Do ponto de vista natural o ser humano é um ser solitário. Qual é o grande drama da vida do ser humano senão uma luta constante com a solidão? Durante toda a vida procuramos nos rodear de pessoas e coisas para fugir da solidão. Até o sucesso é muitas vezes medido se tenho muitos amigos, se sou uma pessoa querida, aceita ou não. Mas nos momentos mais importantes da vida estamos sós. Estamos sós ao nascer – perplexos diante da vida que se abre a nós, sem sabermos o que ela nos trará. Estamos sós nas grandes decisões da vida... Por mais que eu procure me aconselhar com alguém ou ter pessoas ao meu lado me ajudando, eu terei que viver com as consequências da minha decisão.

Estamos sós... E quanto mais vivemos mais só vamos ficando, uns mais cedo outros mais tarde. E não importa quantos filhos ou quantos amigos temos, eles têm sua própria vida e lutas. Ninguém adoecerá comigo ou morrerá comigo.  Lembro-me de um bebezinho filho de uma família amiga que luta pela vida. Por mais que a família o ame é uma luta solitária pela vida que ele trava. Nós só podemos rezar e pedindo ao Senhor que ele seja vitorioso na luta.

 Também Jesus no caminho de sua vida foi ficando cada vez mais só. Ele estava só quando decidiu se afastar da família e ir para o Templo (Lc 2,41-52). Estava só quando saiu de Nazaré para anunciar o Reino de Deus. Quando foi tentado no deserto (Lc 4,1-13). Quando falava e não era compreendido nem pelos mais próximos (Mc 8,31-33). Estava só no Getsêmani e na Cruz. Mas Ele nos dá a resposta para a solidão: “Mas eu não estou sozinho, porque o Pai está comigo” (Jo 16,32).

 A solidão entrou no coração humano pelo pecado, a ruptura com Deus:
“Quando ouviram o ruído do Senhor Deus, que passeava pelo jardim à brisa da tarde, o homem e a mulher esconderam-se do Senhor Deus no meio das árvores do jardim. Mas o Senhor Deus chamou o homem e perguntou: ‘Onde estás?’ E este respondeu: ‘Ouvi teus passos no jardim, Fiquei com medo porque estava nu, e me escondi’” (Gn 3,8-10). 

A solidão só tem sentido quando procuramos retornar à intimidade, à comunhão com Deus e para o combate espiritual. Na solidão o Senhor põe os meus pés em campo aberto onde posso caminhar livremente e encontrar a paz.


Senhor eu preciso de vós como do ar que respiro. 
Como posso viver longe de sua face? 
Sua presença é vida para mim, se a retiras eu volto ao pó. 
Tudo o que tenho eu recebi de vós: a vida, o amor, o sustento, a saúde, a misericórdia, o perdão... 
Um minuto na tua presença vale mais que anos longe de vós. 
Por isto eu peço: Vem Espírito Santo fazer morada em meu coração e curar-me da solidão. 
Ó Senhor que dá a vida, doce hospede da alma, Espírito de Deus, vem! 

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

UM LUGAR DE PAZ

“Quem crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior correrão rios de água viva”  (Jo 7,38).

     Você pode estar vivendo uma situação em que não percebe esta fonte da vida. Parece que a luz se apagou e que resta apenas angústia, medo, solidão, desânimo, mas, creia, o Senhor reina soberano sobre tudo isto. E orando você pode fazer a experiência de descer ao profundo do seu ser, ao templo onde Deus habita e perceber que há um local dentro de você onde há vida e paz, onde você é curado, onde não entra a tristeza, depressão e dor. De lá, junto com Jesus, você pode ver seu coração ferido, mas da ferida brota uma fonte de água. Unida às chagas de Cristo a ferida de dor se transforma em ferida de amor. A fonte de amor brota de seu coração ferido. A fonte pode brotar porque há uma fenda em seu coração.

     Muitas vezes o cansaço e o esgotamento acontece porque há em nós muita rigidez. Queremos controlar tudo e isto nos esgota. Queremos ver todas as coisas e até pessoas a nossa volta, arrumadas, prontas, e nos decepcionamos, pois nada acontece.

      É do Cristo flagelado, coroado de espinhos, crucificado, morto por nossos pecados, que vem a força em todas as nossas dores. Ele não permaneceu na morte. Ressuscitou. Venceu a morte com a vida. O Cristo sofredor não é derrotado. É vitorioso. Na Cruz de Jesus Cristo manifestou-se a glória de Deus que: “Tanto amou o mundo que entregou o seu Filho único, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16).

   Mesmo que os dias sejam de deserto, que aconteça uma seca prolongada, no meu interior esta fonte nunca cessará de jorrar. Ela vem do Espírito de Deus. Ela jorra em abundancia, nela posso matar a minha sede e ainda repartir sua água com os que estão próximos.

Senhor, eu estou aqui na tua presença e te agradeço, pois em vós encontro compaixão, abrigo e misericórdia. 
O Senhor é o meu consolo na melancolia, na depressão. 
E o Senhor me toma pela mão e me leva através da depressão ao meu ser profundo, onde o Senhor habita, onde sou amada, curada pelo seu amor, onde há paz e alegria. 
Ali brota a fonte da vida e o Senhor me toca e reanima a minha vida.
Obrigada Senhor.


 “Bondade e amor certamente me acompanharão todos os dias de minha vida”  (Sl 23(22),6).

sábado, 30 de novembro de 2013

SABEDORIA DO ALTO


 “Mas a sabedoria do alto é antes de tudo pura, depois pacífica, indulgente, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade nem fingimento” (Tg 3,17).

      Para adquirir sabedoria é preciso que minha mente se aquiete. Como no mundo agitado de hoje nossa mente pode aquietar-se? Com um ritmo de vida mais tranquilo. Sei que são muitas as solicitações, a pressa, o redemoinho do mundo nos atrai, e pensamos que precisamos fazer tudo e nos preocuparmos com tudo a nossa volta. Mas preciso parar e perguntar-me: com o que Deus quer que realmente eu me preocupe e me ocupe?
        
         A sua mente se aquietará com um ritmo de vida mais tranquilo. Não precisa ter tanta pressa. Aquiete seus passos e seu coração se aquietará. Olhe o ritmo da natureza, siga a respiração do universo; aceite o convite do salmo: “Tudo que respira louve o Senhor!” (Sl 150,6). Tudo respira, tudo dá glória a Deus. Viva o ritmo das estações do ano. Todas elas são necessárias para o equilíbrio da terra, da natureza. Não reclame de nenhuma estação de sua vida e do ano. Viva cada uma com alegria e suavidade e o Senhor te dará sabedoria.

       Às vezes a inquietação, a ansiedade que rouba nossas forças, vem da rebeldia à vontade do Senhor para nós. Apegamo-nos tanto ao nosso projeto de vida, às coisas do passado e a nossa auto imagem ferida que o coração se torna duro. Cultivamos sentimentos que nos roubam a paz. Muitas vezes não aceitamos os caminhos por onde Deus nos levou, e no profundo do nosso ser fica uma revolta surda contra Deus que nos permitiu viver tal coisa. Reclamamos como o povo de Deus no deserto: o Senhor retirou-me da vida antiga e me trouxe aqui, mas às vezes sinto saudades das coisas do mundo e da vida antiga. 

Alcançamos sabedoria pela oração. O Senhor nos dá a sabedoria do alto na oração. Só Deus é sábio, só Ele pode nos comunicar sua sabedoria e conhecimento. "Ele torna sábio o homem simples” (Sl 19,8b).

Senhor Jesus, purifica o meu coração, desejos e afetos. 
Perdoa-me, Senhor, por olhar para trás, por demorar a responder ao seu chamado. 
Senhor dá-me um coração manso e humilde como o teu. 
Quero repousar nas tuas mãos, deixar que elas me envolvam com teu amor de Pai.
Senhor Jesus, obrigada pelo chamado, pela escolha, por seu olhar de amor sobre mim. 
Jesus una meu coração ao teu como o coração de Maria foi unido ao teu. 
Ponha-me na escola da tua Mãe. 
Dá-me a graça de experimentar a maternidade espiritual de Maria para, como ela, fazer a vossa vontade. 
Dá-me a experiência do discípulo amado: deitar-me em teu colo e receber Maria como mãe. 
Amém.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

DESEJO E LIBERDADE


“Mas creio que o desejo de Te agradar Te agrada, de fato” (Thomas Merton).
    
          O Espírito Santo é que nos faz desejar fazer a vontade de Deus, pois por nós mesmos não alcançamos alinhar nosso desejo com o desejo do Senhor para nós. Fazer a vontade de Deus é algo bem concreto: é estar onde Ele quer, é permitir que ele seja o Senhor dos meus projetos. Quantas vezes fazemos belos projetos que não são a vontade do Senhor para nós. Viver como o Senhor quer é não fugir do seu olhar amoroso, é aceitar o jugo do cajado que ele põe sobre nós: “Eu vos farei passar sob o cajado do pastor e vos farei entrar no vínculo da aliança” (Ez 20,37).

Aqui cabe uma pergunta que nos leva a uma reflexão: O que ainda me falta para viver bem a vontade de Deus?

A resposta me vem por uma imagem: Jesus está comigo dentro de uma casa e a porta está fechada. Ele me diz para deixa-lo abrir a porta e conduzir-me por ela.

      Isto significa que ainda estou fechada dentro do meu mundo, minha casa. Dou-me conta de que não sei como sair deste mundo estreito, fechado; só me resta deixar-me conduzir pelo Senhor, permitir que Ele abra a porta e passar por ela para uma vivência mais profunda da vida em Cristo Jesus.

      Nesta visão mais ampla podemos perceber que na verdade não desejamos apenas agradar a Deus, pois o desejo mais profundo do ser humano é Deus. Então chegamos à conclusão: eu desejo Deus! Só Ele pode saciar a sede mais profunda da minha alma.

      Quando Jesus abre a porta vejo que entro em uma casa muito maior, um espaço amplo. Lembro-me do que fala o profeta Isaias: “Amplia o espaço de tua tenda e estica as lonas da morada, sem olhar despesas!” (Is 54,2). O espaço amplo é o Coração de Jesus. Liberdade é viver em Cristo - pensar, sentir, agir, como Jesus.


Senhor, eis-me aqui.
Eu quero ouvir tua voz. 
Senhor  vinde em meu auxílio, pois muitas vezes tenho dificuldade em mudar os meus planos, em sintonizar o meu desejo com o desejo do Senhor. 
Fico insegura e demoro em mudar o passo na direção do Senhor. 
Ó vinde Espírito Santo. 
Transforme minha mente e meu coração, liberta-me dos apegos aos meus projetos. 
Dá-me o desejo de fazer sobre todas as coisas a vontade do Pai para mim, pois assim eu serei livre e feliz. 
Amém.

domingo, 17 de novembro de 2013

Programa Palavra e Vida - Prática da Leitura Orante da Bíblia



Este segundo programa é de certa forma uma sequencia do primeiro. No primeiro refletimos sobre a Leitura Orante da Bíblia – uma forma de oração com a Palavra de Deus.
 Neste fazemos a pratica da oração.
Resumi, para partilhar com você, em poucos minutos o que geralmente levo muito mais tempo na minha oração diária.

E te convido a fazer a experiência: encontrar o Senhor em sua Palavra. Ele caminha conosco... faça a experiência do encontro.

Boa oração.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

PROGRAMA PALAVRA E VIDA

Olá!
Hoje eu tenho uma novidade para você...
Fui convidada pela Pastoral da Comunicação da minha Paróquia a gravar videos para um programa de evangelização e formação. 
Foi uma surpresa de Deus para mim. Nunca pensei em fazer isto! Mas sinto que é um chamado para evangelizar de uma forma nova, a lançar as redes em águas mais profundas e a responder ao apelo da Igreja.
Que Deus nos abençoe. 

Eis aqui o primeiro programa:

Espero que você goste...
Vamos caminhar juntos. Você pode enviar sugestões de assuntos que você gostaria de ver no programa.

domingo, 27 de outubro de 2013

ALEGRAI-VOS NO SENHOR


“Alegrai-vos sempre no Senhor! Repito: alegrai-vos...” (Fl 4,4-9).
     
 O convite a alegria é como um raio de sol que rompe as nuvens cinzentas desse mundo e da nossa vida. Muitas vezes experimentamos que é difícil viver com alegria em meio a tantas más noticias. A alegria a que a Bíblia nos convida é recebida como fruto do Espírito Santo e precisa ser cultivada por nós. Como podemos cultivar a alegria?

    Com gestos de bondade. Com fé – a fé nos faz viver sem inquietações. Com louvor, suplica e ação de graças ao Senhor que caminha conosco e nunca nos falta sua misericórdia, ternura e compaixão. O Senhor está perto! Esta certeza nos dá confiança, alegria e paz. O Senhor está perto. Está conosco. Caminha conosco nas lutas da vida.

     Dele recebemos a paz. Melhor dizendo, Ele é a nossa paz. Ele nos traz uma paz diferente do que o mundo chama de paz. É uma paz que ultrapassa nossa inteligência e conhecimento. Uma paz que vem do alto e é fruto da ação do Espírito Santo em nós. É a paz de Cristo ressuscitado que gera alegria profunda em nossos corações e nada a pode roubar-nos essa paz.

Como conservar em nós essa paz que gera alegria?

 Vigiando os nossos pensamentos. Como somos descuidados na vigilância dos pensamentos! Precisamos vigiar nossos pensamento pois o que pensamos se transforma em sentimentos. Muitas vezes acordamos mal, com tristeza, angustia e medo, e não percebemos que estes sentimentos foram gerados pelo que pensamos no dia anterior e especialmente o que pensamos antes de dormir. Precisamos vigiar nossos pensamentos.

O que deve ocupar nossos pensamentos?

   A Palavra de Deus nos responde: “tudo o que é verdadeiro, nobre e justo” – muitas vezes gastamos muita energia com suposições e ilusões. “Tudo o que é puro”- a impureza nos cerca por todos os lados, por isto precisamos vigiar sobre os pensamentos impuros e renunciar a eles. Quer dizer, pensar coisas boas, pensar em fazer o bem, renunciar à maldade, ódio, desejo de vingança. Praticar o que aprendemos dos ensinamentos de Jesus Cristo. Testemunhar uns para os outros por meio de palavras e ações, a presença do Senhor no mundo. O fruto deste exercício espiritual é a paz e alegria do Senhor em seu coração e sua vida.

Senhor dá-nos a vossa paz! 
Derrama sobre nós o Espírito Santo. 
Vem Espírito Santo com seus dons e seus frutos. 
No mundo triste, agitado e cinzento em que vivemos facilmente somos atingidos pelo desanimo, a angustia e a tristeza. 
Senhor livra-nos do mal. Liberta-nos da prisão dos maus pensamentos. 
Dá-nos a paz e alegria que só o Senhor pode nos dar. 
Queremos testemunhar vosso amor e vossa bondade com a vida. 
Amém.

sábado, 5 de outubro de 2013

QUEREMOS VER JESUS


     Alguns gregos que estavam em Jerusalém foram dizer a Felipe o desejo deles: “Senhor, queremos ver Jesus” (Jo 12,21). O desejo deles reflete o desejo mais profundo do ser humano: Queremos ver Deus! E em Jesus vemos o Pai, é o próprio Jesus quem nos fala: “Quem me vê, vê aquele que me enviou” (Jo 12,45).

     O ser humano tem sede de Deus, procura a Deus mesmo que as apalpadelas: “Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando entrarei para ver a face de Deus?” (Sl 42(41),3). Como não podíamos por nossas forças ver Deus Ele veio até nós, se revelou plenamente a nós em Jesus de Nazaré.

   Quando André e Felipe foram falar com Jesus do desejo dos gregos Ele não disse simplesmente: “Trazei-os aqui”. Não. Jesus  pôs-se a falar de sua morte, pois em sua morte na cruz Ele manifestaria plenamente a glória de Deus – a misericórdia e compaixão do Pai – e todos poderiam vê-lo. Todos. Jesus trouxe a salvação e misericórdia para todas as pessoas. Todos os de coração aberto, todos os que sentem desejo de Deus. A hora da cruz é a hora da glória, da misericórdia.

    Na cruz o amor de Deus se manifestou plenamente a nós. O Pai entregou  seu Filho na cruz. Deus nos disse: “O que mais posso fazer para te provar como te amo?”. “E quando eu for levantado da terra atrairei todos a mim”  (Jo 12,32). Olhando para a cruz de Jesus deixemo-nos atrair por ele com o coração agradecido pelo amor, ternura, misericórdia, compaixão, do Pai por nós. A glória de Deus é o amor: “Eu te amei com um amor eterno, por isso conservei amor por ti” (Jr 31,3).


 Senhor Jesus, em vós encontro tudo o que meu coração precisa. 
Quando estou fraca, preocupada, angustiada, sentindo falta de pessoas e coisas, reconheço que só o Senhor pode preencher minhas necessidades mais profundas. 
Muitas vezes o Senhor se esconde para que eu perceba como é caminhar longe da tua face. 
Mas quando vem a tua consolação é como o nascer do sol rompendo as trevas da noite em minha vida. 
A tua força é tudo o que eu preciso, ela me faz caminhar nas alturas. 
Senhor, Deus amor, renova em mim o dom do teu Espírito. 
Renova as graças e bênçãos do meu batismo para que eu testemunhe o seu amor no mundo machucado pelo desamor.
 Amém.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

“QUEM DIZEIS QUE EU SOU?"


“E vós, quem dizeis que eu sou?” (Mt 16,15).


Essa pergunta de Jesus aos seus discípulos ecoa no meu e no seu coração, pois cada um precisa dar sua resposta pessoal. Posso responder que és o Amado, mas não basta. És o Amigo, é verdade, mas não é tudo! Posso dizer que és o Salvador, o Senhor, o Mestre... todos os títulos que eu possa dar à Jesus, são verdadeiros, mas incompletos diante da realidade maior: “Tu és Deus!” Por isso a resposta de Pedro foi a perfeita, inspirada pelo Espírito Santo: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo” (Mt 16,16). Por isto vale a pena entregar-me com confiança e sem reservas ao Senhor. Cada renúncia, sacrifício, cansaço, perseverança... vale a pena.
 
     Recordo-me de um tempo em que me vi livre, desapegada de todos os laços e proteção humana, e pensei: agora só tenho Deus por mim. Hoje isto é ainda mais verdadeiro: só tenho Deus por mim... “Minha força e o meu canto é o Senhor, ele foi para mim a salvação” (Ex 15,2). Ele é meu amparo, proteção e escudo; me cerca de cuidados, me dá tudo o que necessito. Nele eu encontro repouso. É meu Deus. Para Ele nada é impossível. Ele me liberta de toda forma de prisão, da tristeza e dos ataques do Maligno.

    Se às vezes parece que eu ando numa corda bamba, se a fragilidade da vida me assusta, se sinto medo e insegurança pelo que pode acontecer comigo ou com os que me são caros... sei que não preciso ter medo, pois se ando numa corda bamba os braços de Deus são minha rede de proteção. Se eu cair cairei neles, e seus braços amorosas estão vigilantes, sempre prontos a me segurar. As mãos amorosas do Pai são Jesus e o Espírito Santo, que estão conosco, hoje e sempre. Não precisamos temer nada! “O rei me concedeu tudo, pois a mão bondosa de Deus me protegia” (Ne 2,8).


Senhor dá-me pureza de coração, santidade no olhar, bondade nas ações. 
Jesus tu és meu único Salvador e Senhor. 
Senhor da minha vida, do meu passado, presente e futuro; 
dos meus erros e acertos; 
do meu querer, e do meu ir e vir. 
Senhor da história, Senhor do mundo. 
Tu és o Filho de Deus, Filho do Homem. 
Verdadeiro Deus e verdadeiro homem. 
Vinde Espirito Santo, dá-me a experiência do encontro com o Cristo vivo em meu coração. 
Amém. 

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

A CURA DA AUTOIMAGEM


Amarás o próximo como a ti mesmo” (Mc 12,31).
    
    O amor e acolhimento ao outro passa pela forma como nos vemos. Às vezes nos vemos como em um espelho que distorce a imagem. A origem da autoimagem distorcida é o desamor. Nossa autoimagem vai sendo formada pelas experiências emocionais desde o ventre materno, mais fortemente a partir do nascimento e dos primeiros anos de vida, pois a autoimagem vai sendo formada principalmente pelos relacionamentos e ambiente em que crescemos. A cura da autoimagem é necessária, pois se a imagem que temos de nós mesmos for negativa enfrentaremos dificuldades nos relacionamentos, na família, no trabalho, na comunidade. A autoimagem distorcida gera em nós baixa autoestima. Se tenho baixa autoestima vou passar a vida querendo agradar alguém.

     Algumas causas da autoimagem distorcida: Excessiva rigidez dos pais; falta de limites; comparações; ser alvo constante de chacota, apelidos, gozações a respeito da inteligência, do corpo, do temperamento... Na juventude ou idade adulta: fracassos e frustrações nos namoros, casamento, vida profissional, etc.

     Certos relacionamentos com amigos, marido/esposa, colegas de trabalho e outros, minam de tal forma nossa autoimagem que muitas vezes precisamos nos afastar para sobreviver e geralmente a recuperação é lenta. Preciso passar por um processo de autoconhecimento. Este processo deve ser percorrido com Jesus, pois sem Ele pode nos levar a um beco sem saída. Estar diante do que eu me tornei pode causar grande sofrimento. Preciso deixar o Senhor me dizer quem sou eu. O fundamento da autoimagem está em sermos imagem e semelhança de Deus (Gn 1,27). Para a cura, preciso reconhecer-me e aceitar-me como pessoa amada por Deus: “Eu te amei com amor eterno, por isso conservei amor por ti” (Jr 31,3).

     Perguntas que preciso responder: Quem sou eu? Qual a imagem que tenho de mim? Eu confio em mim mesmo? De um a dez qual nota eu daria a confiança em mim mesmo, nas pessoas, na vida, em Deus? E para a desconfiança que nota eu daria?
  
No princípio, quando Deus nos criou, nossa vida era como um espelho de cristal límpido. Mas ao longo da vida outras pessoas, às vezes com boa intenção, foram colando cacos de outro espelho por cima deste espelho cristalino - pai, mãe, irmãos, avós, tios, primos, amiguinhos de infância, professores, colegas de escola, a turma da adolescência, amigos, namorados, noivos, marido, esposa, filhos, profissionais que nos lesaram, etc – e passamos a nos ver nesse espelho em cacos. Ou seja, não nos vemos realmente.  Perdemos a consciência da pessoa que Deus criou, do meu verdadeiro eu.  Peçamos ao Senhor Jesus a restauração da nossa autoimagem, para sermos mais a pessoa que Deus sonhou ao nos criar. 

  Senhor Jesus, retire um por um os cacos colados sobre o espelho    da minha vida. 
Senhor limpe também a cola branca que ficou grudada no espelho. 
Ó Deus de misericórdia, levante minha cabeça para eu ver a minha imagem real refletida no espelho, pois às vezes eu não consigo olhar-me no espelho sem rejeitar minha imagem. 
Então, Jesus, olhe-me nos olhos, para que eu veja minha imagem refletida em seus olhos e assim possa ter coragem de olhar-me no espelho da minha vida e ver como realmente sou. 
Ó divino Mestre, dá-me o vinho novo do teu Espírito. 
Encha a minha vida de confiança, alegria, graça e paz. 
Amém.

domingo, 1 de setembro de 2013

A FRAGILIDADE DA VIDA




“Toda criatura é capim e todo seu encanto é como a flor do campo... O capim seca, a flor murcha, mas a palavra de nosso Deus permanece para sempre”  (Is 40,6.8).

    



       Ah, como gostaríamos de sermos livres do medo, preocupação e ansiedade que a fragilidade da vida nos dá. Mas vivemos neste mundo e, vivendo aqui, amamos a vida, as pessoas e tantas coisas boas que temos a oportunidade de experimentar pelo simples fato de estarmos vivos. Às vezes eu tenho o desejo de ter asas para voar e estar em todos os lugares deste mundo e ver a bondade que se manifesta em tantas pequenas ações, ver o amor gratuito de tantas pessoas, pois o Espírito de Deus enche a terra e nos dá a alegria de ver o bom e o belo – “Porque o espírito do Senhor enche a terra: Ele, que a tudo dá consistência, tem conhecimento de tudo que se diz” (Sb 1,7).

      Como não tenho asas, não posso estar fisicamente presente em todos os lugares, mas posso ver tudo isto espiritualmente. Meu corpo é limitado pelas leis da física – e com o passar dos anos mais sinto esta limitação a cada dia -, mas o meu espírito voa. Onde há uma pessoa que sofre eu sofro com ela; onde há uma pessoa que se alegra com realizações, com limitações vencidas, com recuperação ou restituição de algo perdido ou roubado – e não estou falando apenas de algo material – eu me alegro com ela. Faço parte desta grande família humana, que sofre, se alegra e espera o Senhor que virá, e que já está no meio de nós.

    Como é difícil lidarmos com a fragilidade da vida! Hoje estamos aqui, com a vida estruturada desta ou daquela maneira, pensamos estar seguros ou buscamos coisas que nos dê segurança, mas na verdade estamos como quê adormecidos. De repente, tudo muda. Nossa segurança é abalada, perdemos o que para nós era o mais precioso...

     Sabedoria de viver é confiar no Senhor, estar “acordado” para as realidades da vida, ter consciência de que a segurança da vida é Deus: “Confia no Senhor e faze o bem, habita a terra e guarda a fidelidade” 
(Sl 37(36),3).

     Muitos buscam entorpecer o medo da fragilidade da vida nas drogas, no sexo, no controle de pessoas e situações, vivendo perigosamente, em toda espécie de fuga, alienação e fundamentalismo... Buscam fora o que está dentro (S. Agostinho). Buscam no poço seco quando há um rio de água viva que pode jorrar do seu interior (Jo 7,38). Só o amor do Pai, a salvação em Jesus, e o consolo do Espírito Santo, pode nos saciar e dar segurança nas águas turbulentas da vida.


 Senhor, Deus da vida, tenho saudades de ti. 
Meu ser se consome de nostalgia de vós, meu Deus. 
De ti saí, para ti voltarei. 
Enquanto vivo neste mundo sustenta-me com o teu amor. 
Dá-me a tua graça e a tua paz! 
Quero fazer vossa vontade e viver plenamente a vida que o Senhor me deu. 
Confiando no Senhor, vivendo na tua presença, posso ter, já neste mundo, o consolo e a alegria do céu. 
Viver já agora o que viverei em plenitude no céu,  
meu Senhor e meu Deus. 
Amém.

sábado, 10 de agosto de 2013

A PURIFICAÇÃO

    "Se tiveres de passar pela água, estarei a teu lado, se tiveres de varar rios, eles não te submergirão. Se andares pelo fogo, não serás chamuscado, e as labaredas não te queimarão." (Is 43,2)


  Para fazermos a experiência de sermos filhos amados e deitar a cabeça no colo de Jesus, precisamos de purificação. Purificação que é feita pelo Espírito Santo com línguas de fogo: "Viram aparecer, então, uma espécie de línguas de fogo, que se repartiram e foram pousar sobre cada um deles"(At 2,3). Outras vezes a purificação parece águas caudalosas que levam tudo... então, preciso me entregar e passar pelos rios. Purificação que passa por todo o meu ser: minha história de vida, condicionamentos, paradigmas, cultura, educação, temperamento, pensamentos, sentimentos, motivações... e precisa atingir o mais profundo do meu ser: o meu espírito.

       Só quando me submeto à esta purificação, só quando permito que o Senhor mude meus planos, transforme meus sonhos, abra os meus olhos, ouvidos e coração para uma vida nova –que me faz ver a vida, as pessoas e o mundo com o olhar de Deus – é que posso verdadeiramente ser discípula de Jesus Cristo Mestre.

       Cada pessoa precisa de uma purificação particular, e cada um precisa ter consciência de qual purificação necessita, à qual Deus está a conduzindo ou realizando. Às vezes estamos ainda cegos e a desconhecemos, ou só vislumbramos esta purificação, e às vezes temos medo e a rejeitamos. 
         Então se pergunte: Qual a purificação que o Senhor está realizando ou quer realizar em mim? 
A purificação acontece em algo que trazemos conosco, que faz parte da nossa vida. Não é algo que vem de fora, mas que brota de dentro do coração. Ali, onde está nosso coração, nosso maior apego, é onde precisamos de purificação. Olhe para sua vida, ela lhe dará pistas sobre o que o Senhor precisa te purificar ou está te purificando. Às vezes o que vemos como perda é na verdade um ganho no amor, na graça e misericórdia do Senhor. 

      Jesus, o seu olhar amoroso me sonda, vê minhas necessidades, pecados, desejos, sonhos, vê as feridas mais profundas da minha alma, aquelas que eu até mesmo desconheço. 
O Senhor me olha com amor e me cura, me transforma; traz à tona o que eu preciso ter consciência e lança no mar da sua misericórdia o que eu não preciso conhecer. 
Te entrego, Senhor, todo o meu ser. 
Quero que minha vida esteja “escondida com Cristo em Deus”. 
Senhor Jesus, quero me unir a vós cada vez mais, estar no seu coração, ser um livro aberto diante do Senhor. 
Experimentar a suprema felicidade do conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor e Mestre. 
Amém.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

CAMINHANDO COM O SENHOR

      “‘Subi, vós, para a festa. Para esta festa eu não vou, porque ainda não se cumpriu o meu tempo’. Tendo dito isto, Jesus ficou na Galiléia. Mas depois que os irmãos tinham ido, também ele foi para a festa. Não em público, mas secretamente” (Jo 7,8-10).

     Jesus disse que não ia subir à Jerusalém para a festa das Tendas, mas depois resolveu ir só... Nessa atitude de Jesus vemos que os sentimentos, pensamentos, sofrimentos, decisões, ou seja, as questões mais profundas da vida de uma pessoa se passa entre ela e Deus. Só o Senhor sonda as nossas profundezas e sabe o que está no coração.

     O que realmente uma pessoa vive, mesmo as mais próximas de nós, nos é oculto. Às vezes alguém ao nosso lado está passando por grandes sofrimentos que desconhecemos. E às vezes aquela pessoa que menos pensamos estar precisando da graça e misericórdia do Senhor é a mais necessitada. Às vezes rezamos muito por alguém da família sem perceber que é outro que precisa das nossas orações. Da mesma forma o órgão do nosso corpo que pensamos não estar em perigo é por onde entra a doença. Às vezes é difícil percebermos que não controlamos a vida - tudo é dom de Deus.

     Jesus foi para a festa, só... Talvez para fugir de alguma demonstração pública que os outros peregrinos podiam fazer ao reconhecê-lo – não era ainda a sua hora de entrar triunfante em Jerusalém... Mas talvez o motivo principal fosse ficar só com o Pai ao longo do caminho para Jerusalém. Podemos imaginar como Jesus ia conversando com o Pai, falando e ouvindo sobre o próximo passo da sua missão salvadora; preparando-se para os acontecimentos futuros: sua paixão e morte na cruz. Fortalecido pela caminhada solitária com o Pai, chegando a Jerusalém ele ensina no Templo e se expõe aos que queriam matá-lo (cf. Jo 7,37-39).
    
Nós também, muitas vezes, precisamos nos afastar do burburinho da vida, do redemoinho do mundo, e ficar só com Deus, para falar com Ele, escutá-lo; ouvindo ao Senhor, ordenar nossa vida e sermos enviados para servir como Ele quer.


    
 Senhor, eu confio na sua misericórdia. Abandono-me em vossas mãos... Minha vida e a vida dos que me são caros está em vossas mãos, meu Pai. Nada quero reter, meu Deus! Abro minhas mãos e me entrego a vós. O Senhor conhece minha fraqueza. Vinde logo em meu auxílio. Não me desampares, não me abandones, Deus de minha salvação. Dá-me a força do Espírito Santo; cubra-me com o Sangue do Cordeiro, Jesus Cristo, vencedor do mal e da morte. Fica conosco Senhor, hoje e sempre. Amém.

domingo, 14 de julho de 2013

FELIZES OS MANSOS


“Felizes os mansos, porque possuirão a terra” (Mt 5,5).

      Ser manso é um grande desafio no mundo agitado e violento em que vivemos, onde os poderes do orgulho e do egoísmo se levantam e nos sufocam. Geralmente não queremos buscar a mansidão porque pensamos que ser manso é ser ingênuo ou bobo. Mas o que é ser manso?

       A mansidão que Jesus nos fala não é a daquele que tem o temperamento manso, ou se tornou assim por baixa autoestima, complexo de inferioridade ou ainda pelos fracassos da vida.
     
Ser manso é confiar plenamente em Deus em todas as situações da vida, se submeter ao senhorio de Jesus e permitir que Ele governe seu ser e sua vida. Até mesmo quem tem um temperamento colérico pode ser transformado  pelo Senhor. O manso é sobretudo manso para Deus e permite que o Senhor passe a mão sobre ele. Que deseja sobretudo ter seu coração unido ao Senhor e fazer sua vontade. Jesus se identificou como um deles: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e achareis descanso para vossas almas” (Mt 11,29).

      Num certo sentido a bem-aventurança da mansidão contém todas as outras, pois ser manso é ser pobre de espírito; é ter o coração aberto para receber a consolação de Deus nos sofrimentos; é ser misericordioso; é buscar a justiça e a paz; é ter o coração semelhante ao de Jesus. E por experimentar ser filho amado do Pai permite que o Espírito Santo vá purificando seu coração, para ver à Deus em todos os acontecimentos da vida, na esperança feliz de um dia o contemplar face a face.

Quais os maiores obstáculos para vivermos a mansidão?

     Viver a mansidão é um combate espiritual. Combate comigo mesma, com o mundo, com o maligno. Os maiores obstáculos que vejo e experimento são: a criança raivosa dentro de mim que quer ter o controle de tudo para que sua vontade seja feita. O segundo obstáculo, ligado ao primeiro, é o amor desordenado, o apego, ao meu projeto de vida – é ter um coração obstinado como um cachorro que já roeu todo o osso, mas não o solta. Outro obstáculo que vejo é ter a mente acelerada, ser dominada pela pressa da sociedade moderna. Tudo passa depressa demais, por isto não saboreio o presente; sentindo que não vivi bem o presente me apego à ele quando se torna passado. Ao mesmo tempo a ansiedade da vida corrida me leva à viver no futuro, prevendo as coisas, sofrendo por antecipação, sendo dominada pelo medo e preocupação excessiva.

     Ser mansa é uma escolha que faço: sair do redemoinho do mundo para entrar na esfera de Deus e receber vida em plenitude.

Senhor Jesus, opto hoje mais uma vez por ti. 
Escolho ter um coração semelhante ao vosso, manso e humilde. 
Jesus, cura a criança irada e pirracenta em mim, que quer controlar as coisas, as pessoas, a vida. 
Dá-me a graça da liberdade. 
Quero voar nas asas do teu Espírito e não ficar apegada a nada neste mundo, pois, tudo passa. 
Dá-me, ó amado Senhor, a graça de viver bem o presente, de saborear a vida que o Senhor me deu como ela é. 
Me submeto à sua mão poderosa que protege, ampara, cuida, porque ama. 
Amém.

domingo, 23 de junho de 2013

O IMÃ E A AGULHA


        “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor, e amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, com toda a alma, com toda a mente e com todas as forças” (Mc 12,29-30).

        Sempre que leio este texto da Bíblia me vem a mente a imagem de um grande imã de ferro que atrai para si, irresistivelmente, uma agulha. A agulha não tem como resistir a atração do imã... E penso que o imã é Deus que nos atrai com a força de todo amor que há no Universo, pois o amor vem de Deus – “Deus é amor” (1Jo 4,8) – e todo amor que há em nós vem de Deus. Amamos porque Deus nos amou primeiro (1Jo 4,10).

       E a agulha? A agulha sou eu, é você,  se identificar essa sede de Deus em sua alma, e orar como o salmista: 
“Ó Deus, tu és o meu Deus; a ti procuro, minha alma tem sede de ti; todo o meu ser anseia por ti, como a terra ressequida, esgotada, sem água” (Sl 63(62),2). 
Me identificando com a agulha desejo que todo o meu ser – mente, coração, corpo, espírito, forças, memória, alma, vontade, liberdade...- seja atraído irresistivelmente para o Senhor. Isto é a felicidade: render-me àquele que me ama, Deus da vida, fonte do amor.

      Desejo isto..., mas infelizmente o meu desejo, contaminado pelo pecado, é inconstante... e por isto é um desejo pleno por alguns momentos, e depois não mais... Posso dizer como Paulo: “Infeliz de mim! Quem me livrará deste corpo de morte?” (Rm 7,24). Mas, graças a Deus, ele mesmo nos dá a resposta: Jesus Cristo, nosso Senhor (Rm 7,25). Só por sua graça e misericórdia sou salva na luta que se desenrola em meu coração diariamente: render-me a Deus X resistir a Deus.

       A força do Cristo Ressuscitado presente na Palavra e na Eucaristia é que me dá a graça de permanecer fiel. Como aquela pequena agulha me render à atração do Amor. Se o encontramos alguma vez na vida o encontro deixa uma marca, uma saudade, uma ferida que só pode ser curada quando me entrego, me rendo ao Amado. Então tudo mais se faz pequeno porque estou naquele de onde vim e para onde vou.


            Ó Santo Senhor de Israel, toca meu coração e faça-o vibrar na mesma frequência do seu Coração. Ó meu amor, meu Amado, renove e sustente em mim o desejo de ser plenamente atraída por vós, e assim,  encontrar meu lar, meu porto seguro, a plenitude da vida. Dá-me teu amor e tua graça, isto me basta. Amém.

domingo, 16 de junho de 2013

GRAÇA E PAZ


“A graça e a paz estejam convosco da parte de Deus Pai e de nosso Senhor Jesus Cristo, que se entregou por nossos pecados para nos livrar da maldade do século presente, segundo a vontade de nosso Deus e Pai. A ele seja dada a glória pelos séculos dos séculos. Amém”. 
(Gl 1,3-5).

       Graça e paz são dons do Cristo ressuscitado, e ele quer dar aos que a ele se confia. O que é viver na graça e na paz do Senhor?

    Viver na graça é ter leveza na vida, experimentar que tudo recebemos de Deus – a vida, os talentos, os dons da inteligência, a criatividade, os bens, a capacidade de fazer o bem, etc. Viver na graça é ter espírito de pobre (Mt 5,2), gratidão pela graça recebida, viver com alegria partilhando os dons recebidos. É ter um coração de criança, aberto ao Espírito Santo – onde ele pode repousar e, de dentro de nós, em nosso coração, nos conduzir.

“Vou instruir-te e indicar-te o caminho a seguir, e aconselhar-te, pousando meus olhos sobre ti” (Sl 32(31), 8).

      Quem vive na graça e deixa-se conduzir pelo Espírito Santo, passa pelo fogo e pela água (cf. Is 43,2). As águas profundas da tribulação e do sofrimento não o submergirão; as chamas da maldade do mundo não o queimarão. Viverá no amor do Pai. Sabe que nunca está só e deixa que o amor do Pai preencha os vazios do seu coração e de sua vida. É uma pessoa de esperança, pois sabe que o Senhor cuida dos que nele confia, dos que a ele se entrega. É curado na alma e no corpo; tem perseverança, mesmo nos dias maus. Não se deixa abater pela tentação do desânimo. Espera em Deus. Confia.

      Quem vive na graça tem a paz, pois vive nele o Cristo Senhor. Ele é a nossa paz, ele nos dá a paz. Não a paz do mundo – uma paz ilusória e muitas vezes egoísta, que nos faz até ficar omissos para viver em paz -, mas a paz profunda, presente mesmo em meio às tribulações, sofrimentos, perdas... A paz que só o Senhor Jesus pode nos dar como presente do Pai, no Espírito Santo.

    Hoje, o Senhor nos convida a abrir o coração para ele entrar e nos dar sua graça e sua paz. Para que ele possa entrar precisamos desentulhar o coração de tudo o que ocupa o lugar do Senhor dentro dele – apegos, idolatrias, supertições, preconceitos, dureza de coração, falta de fé...

    Pedindo ao Senhor Jesus sua graça e paz, nós, salvos pelo seu sangue derramado na cruz, família de Deus pelo batismo, oremos nos entregando com toda confiança.


“Tomai, Senhor, e recebei toda minha liberdade, a minha memória, a minha inteligência e toda minha vontade, tudo que tenho e possuo. Vós me destes; a vós, Senhor, o restituo. Tudo é vosso; de tudo disponde segundo a vossa vontade. Dai-me o vosso amor e a vossa graça, que isso me basta”.  
(S. Inácio de Loyola)